quinta-feira, outubro 27, 2016

Caminho para a Eternidade - Parte XXI



 Melissa sentia um vazio no seu estomago, literalmente, agora entendia a expressão “borboletas no estomago”, e sabia, que aquilo nem sempre era uma boa sensação, Victor parecia com pressa, e Melissa sabia o que ele queria dela. O que ele sempre quis dela, e isso a fez ficar com medo do que estaria por vir, do desconhecido. Escondeu o rosto no pescoço dele e tremeu.
Victor não pareceu se importar, abriu a porta do quarto e a colocou na cama, retirando a regata branca que estava usando há horas, sentiu a mão de Melissa em seu tórax e fixou o olhar no dela.
- Victor, obrigada...
- Não precisa agradecer, fiz o que precisava fazer. – Ele disse profundamente.
- Eu não quero que seja assim...
Victor franziu a sobrancelhas, fisicamente perturbado e tentou se afastar, mas foi impedido pelas mãos de Melissa, e percebeu que ela estava encaixando a perna direito no quadril dele.
- Quero que me ame. – Melissa disse, por fim. Desabafando em algumas palavras, toda frustração que sentia desde o inicio daquele casamento. – Eu sei que um mês é pouco pra alguém amar outra pessoa, quer dizer... Eu não sei... Mas não quero perder a virgindade com quem não me ame.
Victor pendeu a cabeça pra baixo, e Melissa assentiu, que idiota era, estava forçando o rei dos vampiros a ama-la, aquilo era impossível, aquilo era...
- Eu te Amo. – Victor sussurrou como se estivesse contando a pior coisa do mundo pra ela. – Por mais que eu não queira... Por mais que isso me torne fraco... – Ele a encarou, seus olhos azuis extremamente claros – Eu Te amo, Melissa, mas só tive certeza absoluta que não vou mais negar isso quando quase morreu.
- Por que acha que é uma fraqueza? – Melissa questionou, afastando os cabelos negros do rosto dele distraidamente.
- Eu não sei, sempre achei que amar era fraqueza, porque... A pessoa sempre te decepciona, você passa a depender dela, do amor, do carinho, do toque... – Victor deslizou a mão pela cintura de Melissa, parando na coxa – É como viver no inferno esperando sempre uma parte do paraíso no toque de outro.
- Já amou antes? – Ela questionou, ainda distraída nos cabelos enormes e negros do rei.
- Nunca, nunca senti nada perto do que isso que me fez sentir por você.  
- Eu também te amo Victor, mas eu não quero ser mais uma... Sempre tive medo de te amar por causa disso. – Melissa admitiu, sem conseguir fitar o rosto dele.
- Seja minha e eu jamais tocarei em outra – ele balançou a cabeça, rindo – se quer saber, desde que a gente casou que eu nem consigo pensar em outra.
Melissa segurou o rosto dele e o beijou demoradamente, fazendo Victor pressionar o corpo mais no dela, excitando-a com o movimento lento.
- Pra sempre? – Sussurrou, entre os beijos.
- Pra sempre. – Afirmou Victor, enquanto abria o zíper da calça.

Estava no paraíso? Melissa refletia enquanto sentia a boca de Victor na sua, no inicio, sentira dor, sentia-se assustada, agora, depois de tantas vezes só conseguia se sentir em paz, e principalmente, sentia que pertencia a ele como jamais sentiu antes.  Não sabia á quantas horas estava na cama, Victor, era, de fato insaciável e ela jamais amou tanto isso em toda sua vida. Jamais, nem nos seus melhores sonhos conseguia imaginar como aquilo era... Bom, apesar da dor inicial que foi minima considerando todo o prazer de agora. Os dois já estavam dividindo a cama, como um casal há mais de cinco dias, e tudo parecia em paz, e correto.
- Esta feliz? – Perguntou enquanto Victor se aventurava no pescoço dela, lambendo seu sangue.
- Isso responde sua pergunta? – Victor virou ela na cama, colocando-a por cima dela e sorrindo maliciosamente.
- Não responde não, bobo. – Melissa riu, se apoiando no tórax dele e ficando ereta sobre ele. – Responde que esta excitado.
- Estou muito feliz com você, como jamais estive antes. – Victor sorriu, preguiçosamente na cama. – E você, rainha?
Melissa rebolou lentamente sobre ele, fazendo-o revirar os olhos de prazer, e então, afirmou rapidamente:
- Isso responde sua pergunta?
Ele riu, e olhou no relógio:
- Quase dezessete, merda, temos aquela idiotice de baile de mascaras hoje. Vamos juntos?
- Não... – Melissa sorriu, fazendo Victor a olhar curioso – Precisa me caçar.
Finalizou lambendo a boca dele.

Melissa abria a porta dupla do seu quarto despreocupada, a música clássica já estava ressoando pela mansão fazia uns vinte minutos, era seu primeiro baile formal, obviamente, já havia participado de outros, mas não sendo convidada, apenas observando por detrás da cortina da sala de estar de seus pais, de maneira travessa, ao menos, as mulheres vampiras de certa classe social e de sangue não eram bem vistas em eventos sem estarem com certa idade, claro, não era uma regra, ouvira que muitas outras vampiras mais novas haviam se aventurado nesses tipos de bailes, mas claro, tal regra não se aplica a Melissa, muito menos a seus pais conservadores. Agora, fixando seu olhar no espelho, Melissa se achava bela, completa, talvez, valha a pena conservar certos hábitos, isso te ensina a ter disciplina e honra, balançou a cabeça rindo, a Melissa de alguns anos atrás com certeza não pensaria assim, mas as experiências realmente a fizeram compreender a importância das tradições.
Com certa dificuldade, ajustou sozinha o corset sobre seu corpo, e lembrou-se de Anne, o que haveria acontecido com sua melhor amiga? Que culpa a dela, vivendo sua vida como rainha, nem se lembrou de sequer escrever uma carta a Anne contando como estava sua vida, e quem sabe, não a chamaria para ser sua dama de companhia? Victor havia comentado ontem da importância dela ter uma dama, claro, não para vigia-la como outrora seus pais fizeram, mas sim para ajuda-las nessas ocasiões chatas em que se arrumar sozinha é uma missão complicada demais, além disso, Anna ainda era, sem sombra de duvidas, sua única amiga.
Victor entrou, como sempre, de maneira nada delicada, fazendo Melissa sentir o coração pular.
- Precisa quebrar a porta? – Comentou levemente irritada com aquele jeito de ogro do rei.
- Opa! desculpa. – Distraído, Victor olhava pelo quarto.
- O que procura?
- Minha mascara, enfeite idiota, pra que usar isso? – Victor continua andando rapidamente, abrindo gavetas, esbarrando em vasos e estatuas – Sério, odeio esse tipo de baile, é enjoativo, cansativo, um porre.
Melissa deu um meio sorriso, e se colocou em pé, passou por Victor e foi até a mesa de canto, agachando-se e puxando uma mascara vermelha com alguns ornamentos em rubi, levantou-se e esticou a mão a Victor.
- Do que esta hoje? Diabo? – Comentou enquanto estendia a mascara de Victor para ele.
Victor virou-se, mais relaxado, pegou a mascara e se colocou na frente do espelho ajustando a mesma sobre o rosto másculo.
- Pareço um demônio para você, milady? – Sorriu perversamente pelo reflexo do espelho para Melissa.
Melissa por um momento observou o terno vermelho sangue, a gravata de linho preta, realmente, aquele terno caia de modo perfeito ao tronco do vampiro-rei, justa, bem acabada, Victor sequer parecia real com tamanha beleza selvagem.
- Você sempre parece um demônio para mim. – Falou, de forma impensada. Lembrando-se que toda aquela altura e altivez de Victor era capaz de causar medo em qualquer ser. Humano, Vampiro ou animal.
Victor não respondeu, estava prendendo os longos cabelos negros num rabo de cavalo simples. Melissa respirou fundo, enquanto procurava seu par de sapatos preferido para aquela noite.
- Qual a importância desse baile afinal? Digo... O que comemoramos?
- A chegada dos vampiros nesse país, ora. Digamos... Que estávamos escapando de alguns problemas em Portugal.
- Um dia me contará essa história melhor?
Victor riu alto, indo em direção a porta.
- Você se importa muito com o passado, Melissa. – Parou por um instante, fixando o olhar nela – Passado é passado, esqueça-o e nunca faça comemorações idiotas como essa para lembrar. – Finalizou, saindo.
- “Passado é passado”... – Melissa sussurrou pra si mesma, ajustando o sapato de verniz fino e preto sobre seus pés pálidos, pensou em Erik por alguns segundos, talvez Victor estava certo. 



Continua...

Roberta P.


Ps. Novamente, agradeço muito o apoio e a paciência de todos vocês com Caminho para a Eternidade, numa tentativa frustrada de conseguir o perdão de vocês coloquei hoje duas partes do conto. Espero que apreciem tanto quanto eu em escrever. 
Aliás, estou lançando um canal de Youtube, pra quem gosta de games é uma grande pedida. E quem sabe daqui algum tempo não consigo realizar o meu maior sonho pessoal e publicar caminho para a eternidade? Ficaria muito honrada com o apoio de vocês no canal. Obrigada. 


https://www.youtube.com/c/MissChiefPlays

5 comentários:

  1. Eeeeh, ela está de volta! <3
    Obrigado por se lembrar de nós, e tenho certeza, que o seu sonho vai se realizar!!!

    ResponderExcluir
  2. maravilhoso! você é muito boa com as palavras,esse conto é perfeito e você é uma ótima escritora.Continue postando...

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, a cada palavra é uma sensação diferente.
    Entrava todo dia para ver se tinha capítulo novo, e eu muito ansioso, pensandoque vocêtinha esquecido. Mas hoje tive uma surpresa. O/

    ResponderExcluir